9 de jan de 2012

Calcinhas e Sutiãs Sobre o Varal

Por: Rafael Nascimento dos Santos


Na varanda um jovem observa o horizonte.
Nossa como as coisas mudaram, pensou.
Seu olhar se perde no infinito horizontal da cidade.
Daqui, da para ver grande parte da cidade e suas mudanças. Não da para acreditar que mudou tanto.
De repente seu olhar foi desviado como se fosse puxado, atraído, para um determinado ponto físico, lugar próximo.
Nossa!!!! O que é aquilo? Espantado pelo que via.
Estendido sobre um varal velho havia varias peças de roupas. Ao vento secar. Com a brisa as peças secavam e embalavam um ritmo generoso ao olhar do jovem.
É comum, eu sei, ter sobre o varal tais peças, mas estas... Não há palavras para explicar.
Da pequena varanda, via calcinhas e sutiãs, entre outras peças, cada uma com suas particularidades e delicadezas.
Cada peça o deixou sem palavras, só sua mente trabalhava no momento.
O varal esta repleto de Sutiãs, GRANDES, calcinhas, minúsculas. Cada peça, o fazia imaginar a mulher que a usava, imaginava-a como a mulher perfeita.



Seios robustos, quadris grandes, cabelo longos, olhos claros, pele clara e assim por diante, até seu cheiro e sua voz, davam para ser percebidas através de seus suspiros.
Muitas coisas era somente imaginação, outras era percepção visual.
Oh!!! Será que existe tal mulher? Gostaria de vê-la realmente.
Para o fim de seus delírios e suspiros em sua construção mental de uma mulher perfeita e para sua constatação, uma velha de grandes seios e quadris também grandes surge, do nada, modo de dizer, sai de dentro de casa, para verificar e retirar as roupas secas do varal.
Que mulher perfeita que nada, disse ele, jogando todos os seus delírios pelo ralo. Era somente uma velha, que pena.

0 comentários:

Postar um comentário

Por favor, não postar somente propagandas sobre seu blog, comentem sobre a postagem.
Ao fim dos comentários colocar o link de seu blog ou outros que desejar.
Obrigado pelo comentário.